11.3.07

28-10-2006


Sinto-te perto, sinto-te longe, não sei. Sinto, sobretudo, a tua falta. E tudo o mais que não disse, não se perdeu, senti-o. A parte mais difícil foi ver desvanecer-se, foi não fazer parte. Não mais quis que ter-te, amar-te. Incondicionalmente.

3 comentários:

pedro disse...

... sinto-te a ir... não indo... como se sentisse ainda o rubor da tua pele sobre a minha, como se a tua pão e a minha estivessem unidas... como se ainda estivesses abraçada a mim enquanto rodopiavamos na dança da vida... estranha sina essa de amar e perder... damos por nos a perder a cousa amada e ao mesmo tempo... porque a distancia e a a ausencia mantém viva a luz, recriada que esta na saudade... sinto-te como se fosse ontem... aquele momento em que os meus lábios e os teus se cruzaram pela ultima vez e eu me encontrei para me perder...

desculpa a invasão... esta dor... a dor mais universal que é a ausencia... as vezes faz-me perder pelo reino das palavras e a escrita acontece... mesmo sem querer.

só queria vir fazer uma visita ao teu blog e deu nisto.

sonha.. a tua luz irá vencer a escutridão

Rita disse...

que importa sorrir, que importa chorar? Tudo é sentir, tudo é viver. Imagem muito bonita e expressiva.
beijinhos

[ we ] disse...

bonito. ..