20.7.06

Cada vez tenho mais consciência que tenho que crescer. Sou muito lírica, muito poética, muito de retórica e muito de idealismos. Mas de que matéria são feitos os sonhos? De que matéria são feitas as opções de vida? As escolhas, as decisões que quer queiramos, quer não nos comprometerão para a vida.
Teremos emprego, poderemos contar com saídas profissionais? Poderemos optar pelas paixões que sempre alimentamos, pelos sonhos que sempre tivemos? Ou reduzimo-nos a escolhas que terão saída profissional futura, que dão garantias de independência financeira, que permitirão conquistar um lugar no mundo do trabalho?
Sou insegura. Muito. E pessimista. E tenho qualquer coisa que me impele a acumular sentimentos de culpa, que me consomem e me fazem sentir mal. Acho, penso, digo, sinto... e é tudo tão confuso que no fim fica um vazio. Daqui a menos de um mês tenho que apresentar uma candidatura de acesso ao ensino superior.
E candidatar-me ao quê? Aonde? Serei feliz nas escolhas? Deverei seguir a minha vontade de tirar Psicologia ou deverei reger-me pelos conselhos sábios e sinceros dos familiares e alguns amigos que insistem que estou a ingressar num curso para o desemprego? Ficarei a sentir-me mal? Saúde será uma opção? Enfermagem será uma boa escolha? E Jornalismo? E Ciências da Comunicação? E Reabilitação Psicomotora?
Acusam-me de ser indecisa, de nunca ter lutado por uma nota, de ter sempre dito que logo se veria... mas e agora?! Vazio, indecisão, confusão, tristeza e muitas lágrimas.

7 comentários:

Anónimo disse...

Sonhar é a base da vida!
:)
Gosto de ti!
Beijinho doce*

Joana disse...

Um beijinho na gota que escorre aí mesmo nessa bochecha...

*

Rita disse...

os sonhos são feitos do pó das estrelas... =) vai tudo resolver-se, eu sei que sim. beijo

segurademim disse...

na hora da verdade, lá estará a escolha, tão idealizada, escolhida, interiorizada ... e

já está

beijo

intimidade indecente disse...

Ana, descobri o teu blog através da Rita. Pelo que vejo, vou ficar cliente. Sobre o teu texto, gostava de poder/tentar tranquilizar-te. Terminei agora a licenciatura em Psicologia, é uma de entre muitas outras paixões na minha vida. Um conselho de amiga: sei que, hoje em dia, é muito complicado termos capacidade suficiente para resistir a opiniões alheias, nomeadamente porque tudo o que elas referem de senso-comum é, efectivamente, verdade. Também eu me assemelho, em muitas coisas, contigo. Também eu sei que o mercado de trabalho é cada vez mais desumano, mais exageradamente competitivo, mais agreste, que as oportunidades que nos fariam felizes, pelo menos de forma mais ou menos imediata, escasseiam. Mas Rita, se queres, realmente, crescer, acho que esta é uma excelente oportunidade para apostares em ti e aceitares o desafio que tudo isso pode encerrar. Acho, primeiramente, que as pessoas têm que tentar construir o seu próprio conhecimento numa área em que consigam antecipar sentir-se realizadas, caso contrário, o cenário prevê frustração, insatisfação, desânimo. E, com tudo isso, a par de um domínio pelo qual não há grande entusiasmo, há todos os constrangimentos, obstáculos e dificuldades que, numa área com que empatizamos particularmente, se tornariam mais facilmente transponíveis. Não digo que não devas ponderar outras alternativas, acho que deves pesar os prós e os contras de cada uma delas, mais no presente do que no futuro. Até lá, muita coisa pode e vai, certamente, mudar. Acima de tudo, sê feliz. E tem consciência que é apenas a tua rampa de lançamento, hoje em dia os cursos superiores dão-nos mais um kit básica de sobrevivência, o resto, a nossa identidade pessoal e profissional, continua (e ainda bem) a ser tarefa de cada um de nós.
Beijinho, prometo voltar mais vezes*

intimidade indecente disse...

Querida Ana, fiquei muito contente por ter podido contribuir para a tua tão importante reflexão e, como tal, cá estou de novo.
Realmente, deste-me agora mais informações do que aquelas que tinha, inicialmente. Gostava de poder tranquilizar-te, acho que é importante que tenhas presente que, de uma forma ou de outra, o teu percurso pessoal, académico e formativo deve ter-se processado no sentido de uma de entre essas duas áreas ou, até decidires, de ambas. Enfermagem também me parece um curso muito interessante, embora não tenha estofo para lidar com todas essa parte orgânica de forma tão imediata e concreta como a área implica, embora também saiba que há pessoas que desenvolvem essas competências gradualmente, ao longo do curso, até porque é uma componente abrangida pelo mesmo. Em termos de Psicologia, embora saiba que o desejo de muitos profissionais de Enfermagem fosse o da inclusão de referências mais concretas de Psicologia no currículo dos cursos, até agora parece-me que essa vertente tem sido votada um pouco ao cuidado dos profissionais em si, mas é algo que podes pesquisar, em termos das cadeiras dos vários anos, das várias licenciaturas, para ficares com uma ideia. Estares a par do que vais estudar ao longo dos próximos anos pode ser um critério interessante para explorares, tendo em conta a tua decisão. Em termos de saídas profissionais, a Enfermagem parece-me ter saídas mais directas, mais imediatas, se bem que as condições laborais são, muitas vezes, extenuantes, mas o que importa mesmo é sentires-te realizada e gratificada naquilo que possas vir a exercer futuramente, a nível do teu desempenho profissional.
Falando da Psicologia, acho que é suspeito se te entusiasmar a não tomares partido de imediato pela Enfermagem. Sei que é uma decisão complexa e, pelo menos aparentemente, comprometedora, mas não irreversível e é importante tê-lo em consideração.
Quanto à parte da independência, acho que deves apostar naquilo que achares que te poderá dar melhor formação e, simultaneamente, ajudar-te a nível pessoal. Importa salientar, porque às vezes nestes momentos falta-nos alguma lucidez em termos práticos, que mesmo ficando por aí, não mudando de cidade, imagino que haja protocolos no sentido do Erasmus, que podes sempre aproveitar. Como vês, há muitos aspectos que te podem sossegar mais, Aninha. Tem calma, tenho a certeza que tudo se irá resolver pelo melhor. Qualquer coisa, não hesites, vou estando por aqui! Beijinho grande!

intimidade indecente disse...

Esqueci-me de responder à tua pergunta da área: Consulta. ;) ******